Agenda

10/Mar

Exposição Bela Verão 2018

Entre os dias 12 de janeiro e 10 de março, acontece a primeira edição da Exposição Bela Verão. Com o objetivo de promover um encontro de linguagens, estilos e obras que afirmam a periferia como referência de experiências estéticas/artísticas, O Observatório de Favelas e a Automatica – Produtora de Arte Contemporânea – a partir de edital aberto para inscrição até o dia 02 de janeiro – selecionaram 15 projetos artísticos para participar da mostra, que são:

OBRAS/ARTISTAS | EDITAL BELA VERÃO 2018:

▪ Ana Almeida “Sem Título” – Realengo, Niterói
▪ Ana Clara Tito “Mãe -Tia” – Bom Jardim, Niterói
▪ Elian Almeida “Ao que vai nascer ( Coordenadas do Cais do Valongo)” – Vila Leopoldina, Duque de Caxias
▪ Ilíada “Seja bem vindo!” – Maracanã, Rio de Janeiro
▪ Ismael David “Exú” – Braz de Pina, Rio de Janeiro
▪ Ju Angelino “Dandara” – Ilha do Governador, Rio de Janeiro
▪ Laís Amaral “Sem título” – São Gonçalo
▪ Mozileide Neri “Série Livros-objetos” – Colégio, Rio de Janeiro
▪ Rafael Amorim “Deslocamento” – Padre Miguel, Rio de Janeiro
▪ Rafaelle Ferreira “Manifesta Preta” – Benfica, Rio de Janeiro
▪ Thais Cristina “Adé Erê” – Ramos, Rio de Janeiro
▪ Thalles Olgador “Calçadas” – Olaria, Rio de Janeiro
▪ Thiago Ortiz “Série Faixas de Rua” – Vila Kosmos, Rio de Janeiro
▪ Vinicius Costa [Pastor] “ Puxadinho” – Penha Circular, Rio de Janeiro
▪ Yhuri Cruz “Duplo-Macho” – Olaria, Rio de Janeiro

Além da mostra, a programação Bela Verão inclui ainda outras ações, como a intervenção artística #NósDaMaré, que acontece no dia 24/2, às 16h, com a participação dos coletivos Opavivará! e Leão Etíope do Méier convidando outros artistas/grupos da Maré.

Você pode agendar visitadas mediadas com o Programa Educativo do Bela Maré através do email: educativo.belamare@observatoriodefavelas.org.br.

Vem pra Maré!
………………………………………………………….
⚠ Entrada gratuita ⚠
Classificação: Livre
Local: Rua Bittencourt Sampaio, 169, Maré
Entre as passarelas 9 e 10 da Avenida Brasil – Rio de Janeiro – RJ

☎ Contato:
Telefone: 3105-1148
facebook.com/galpaobelamare

Mais informações no evento: https://goo.gl/r63uzc

25/Fev

LÁ FORA – RESSACA DE CARNAVAL

O carnaval só acaba quando a gente quiser!
E aqui na Arena Dicró ainda vamos compartilhar essa energia da maior festa popular com o Lá Fora – edição Ressaca de Carnaval

////ROLÊ GRATUITO no Parque Ary Barroso////

>>>>Como primeira atração teremos o Movimento Baque Mulher FBV::

Baque Mulher é um grupo de Maracatu Nação sediado na cidade de Recife/PE, formado totalmente por mulheres, fundado em 2008 e idealizado por Mestra Joana Cavalcante, Mestra da Nação do Maracatu Encanto do Pina.
O objetivo do Baque Mulher dentro das nações de Baque Virado é fortalecer a figura da mulher como protagonista, primeiramente como liderança religiosa dentro de suas comunidades, além da atuação em funções tradicionais dentro do maracatu, como dançar e costurar, propiciando a sua liderança também como referência na percussão e em outras áreas.
O Baque Mulher tem como finalidade o desenvolvimento, a manutenção e a disseminação da cultura do maracatu entre mulheres, promovendo especialmente: O encontro de mulheres por meio do maracatu visando, muito além do fator percussivo, a troca de experiências relacionadas ao universo feminino.

>>>Apresentação do Bloco Lemi Ayò

A Associação Afro Cultural Lemi Ayó foi fundada em 1987 por jovens afro brasileiros que buscavam mais aproximação com a cultura de seus ancestrais. Começaram com grupos de leitura, posteriormente cresceu o interesse e assim as oficinas de percussão, dança afro, grafite, moda, capoeira e leitura se fixaram na proposta do grupo.

Tendo como missão promover a inclusão social despertando a capacidade de exercer a sua cidadania; Possibilitar uma nova perspectiva de vida: informando, orientando, capacitando; Estimular a solidariedade, a habilidade empreendedora e a responsabilidade, o Lemi Ayo permanece durante seus 30 anos de historia fomentando ações culturais por todo território do Rio de Janeiro, nas seguintes comunidades/bairros: Fazendinha, Complexo do Alemão; Catiri, Bangu; Bento Ribeiro; Rio D’ouro, Irajá etc.

>>>>> Exibição do filme CARNAVAL, BEXIGA, FUNK E SOMBRINHA de Marcus Vinicius Faustini

O longa-metragem apresenta ao público o desconhecido universo dos mais de 70 grupos de “Clóvis”, ou “bate-bolas” existentes na Zona Oeste carioca. Rodado durante o carnaval de 2005, ao mesmo tempo em que perpetuam a velha tradição do alegre carnaval de rua, os grupos levam às últimas conseqüências os preparativos de uma festa que começa 361 dias antes da saída dos multicoloridos blocos. Durante quatro meses de filmagens, Faustini e sua equipe acompanharam a rotina de vários grupos de “Clóvis” e seus agregados – trabalhadores jovens e idosos, costureiras, crianças, comunidades inteiras formando uma única tribo, afirmam-se por meio de uma manifestação cultural tão surpreendente quanto desconhecida.

O Lá Fora é um evento que culmina um esforço da equipe da Arena Dicró de, com participação ampliada de outros atores da sociedade civil (e da classe artística, claro!!) de maneira geral, em todo último domingo do mês reunir em um só evento diversas expressões artísticas e culturais em integração com o Parque Ary Barroso, Pulmão da Leopoldina carioca.
Com essa ação mobilizamos a ocupação desse espaço, que é relevante e merece ser cuidado, ter vida e ser palco de expressões artísticas e culturais e materializamos o esforço de (re)fundar o Parque como centralidade na cidade do Rio de Janeiro.

Dia 25 | Domingo | 15h | Gratuito | Livre
#vemproLáfora

24/Fev

O #NósDaMaréVerão é um evento que busca promover a construção, o fortalecimento e a expansão da rede de atores culturais da Maré na cidade e, nesta edição, a partir da proposta conceitual “intercâmbio”, os coletivos Opavivará! e Leão Etíope do Méier realizam intervenções junto ao “Karaokê das Bixas Pretas” e o show de André Machado Ptah (Zovão) + DJ Rajão.

————————————————

≡≡ Opavivará – Transnômade ≡≡

Transnômades, módulos móveis, carrinho carroça adaptado, transsignificado, movido por tração humana percorrendo os espaços públicos extramuros da cidade, células de transporte vital para o funcionamento dos fluxos arteriais da megalópole pulsante.

Cria-se um acampamento transnômade, uma casa tenda oca ocupação que pode circular e se assentar em qualquer lugar, criando uma zona autônoma temporária de encontros e trocas que rapidamente pode ser levantada para seguir o rumo que os seus puxadores quiserem. Uma coletividade nômade ocupando os espaços abertos da cidade criando intervalos no fluxo urbano para pensarmos sobre a aceleração do tempo e a compartimentação do espaço, sobre as incertezas vivas. Ativando outros modos possíveis de se viver junto.

≡≡ Karaokê das Bixas Pretas ≡≡

O Karaokê das Bixas Pretas consiste num modelo de intervenção artística e política que usa como formato principal, um karaokê com performance humorística.

Para compor o jogo teatral formado pelos integrantes, a brincadeira é o seguinte:

– Cada pessoa que se dispor a entrar no jogo deve se inscrever no karaokê e aguardar a sua vez.
– Sem que este possa escolher a música que irá cantar, sabendo que todo o repertório que compõe o karaokê é formado por artistas negros e/ou LGBTQI.
– Esta sua performance poderá ser interrompida por umx “Mestre de Cerimônia” até que o integrante possa concluir uma música de seu agrado.

O projeto é formado por 3 bixas pretas, onde cada um dos integrantes traz consigo habilidades e qualidades para a realização da “performance”:

Carlos Marra – Produtor Cultural da Lona da Maré atualmente desenvolve trabalhos/eventos/projetos em audiovisual voltados para o público LGBT por toda cidade, através de sua formação em palhaçaria atua no Karaokê das Bixas Pretas como Mestre de Cerimônia

Felipe Dutra – Diretor, roteirista e videomaker. No karaokê das Bixas Pretas é o responsável pela escolha da playlist tocada/cantada (é o nosso bem dizer DJ – ele traz um repertório todo formado pelos principais artistas dos anos 90, 2000 e contemporâneos Negrxs e/ou LGBTQI.

Iury De Carvalho Lobo – Cineasta, produtor e poeta, propõe intervenções poéticas ligadas aos seus estudos de gênero, sexualidades, raça e territorialidades

————————————————

≡≡ Leão Etíope do Méier ≡≡

O “Leão Etíope do Méier” é uma facção cultural que atua desde janeiro de 2014, majoritariamente na Praça Agripino Grieco – Méier/RJ.

Os eventos hospedam, sob curadoria do grupo, shows de artistas nacionais e internacionais, exposições, um cineclube (Cinetíope do Méier), performances artísticas, circenses, teatrais e de dança. Completando mais de setenta edições em dois anos e meio de atividades, o Leão se consolidou como um palco a céu aberto na zona norte da cidade abrigando quase duzentos artistas durante esse período.

≡≡ André Machado Ptah (Zovão) ≡≡

André Machado Ptah iniciou sua carreira em 97 na Zona Norte do RJ, Méier. Foi front man das bandas Partido Leve e ZNVG.
A banda Antizona foi sua porta de entrada para música. Já se apresentou duas vezes em Cuba, 2010 e 2011. Gravou um Rap no Real 70 com participações dos melhores Mcs Cubanos.

André Machado Ptah fará show solo como a soma de Pablo Abdelhay na flauta e Kofi Heru Adowa no Djamble.
Reggae, Rap e Mpb (música preta brasileira) misturando o orgânico com eletrônico.

≡≡ DJ Rajão ≡≡

“Rajão é o dealizador e um dos produtores do Leão Etíope do Méier e trabalha como DJ autônomo. Já produziu a finada festa Xacará Xirê, que já tocou com Bixiga 70, The Skatalites, BNegão & Seletores de Frequência, André Sampaio & Os Afro Mandinga, OQuadro, Feijão Coletivo, Abayomy Afrobeat Orquestra e Zebrabeat Afro-Amazônia Orquestra.

Para ouvir: www.soundcloud.com/raj-o
————————————————

Muito agito no sábado (24/02) na área externa do galpão! Não perca! 😉

⚠ Entrada gratuita ⚠
Classificação: Livre
Local: Rua Bittencourt Sampaio, 169, Maré
Entre as passarelas 9 e 10 da Avenida Brasil – Rio de Janeiro – RJ

☎ Contato:
Telefone: 3105-1148
facebook.com/galpaobelamare

23/Fev

As Divinas Divas são ícones da primeira geração de artistas travestis no Brasil dos anos 1960. Um dos primeiros palcos a abrigar homens vestidos de mulher foi o Teatro Rival, dirigido por Américo Leal, avô da diretora. O filme traz para a cena a intimidade, o talento e as histórias de uma geração que revolucionou o comportamento sexual e desafiou a moral de uma época.

Direção: Leandra Leal.

Dias: sextas, 2, 16 e 23 de fevereiro.
Horário: 19h
Gratuito
Classificação etária: 14 anos

Parceria: Vitrine Filmes

Mais informações no evento: https://goo.gl/CqKvA7

participe de nossas redes sociais

Siga a gente no Twitter

Receba nosso boletim

Receba o premiado boletim do Observatório de Notícias e Análises.

Endereços e Direções

Rua Teixeira Ribeiro, 535, Maré
Rio de Janeiro – RJ
Cep: 21044-251  /  Mapa Mapa

Telefones:

55 (21) 3104-4057
55 (21) 3888-3220

Ou envie-nos um email

projetos