Fiocruz dá mais um passo no combate à pandemia no país

Por Gabriela Anastacia (gabriela@observatoriodefavelas.org.br)

Na última terça-feira (11), o Observatório de Favelas participou da coletiva de imprensa exclusiva para comunicadores populares realizada pela Fundação Oswaldo Cruz. A agenda aconteceu on-line e foi transmitida pelo Youtube tendo como pauta as perspectivas de vacina para Covid-19 no Brasil.

A vacina é desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford (Inglaterra) e já está na terceira fase de testes. O acordo entre os dois laboratórios permitirá que a Fiocruz fabrique o imunizante no país, garantindo o acesso mais rápido da população brasileira à vacina contra a Covid-19. A Fiocruz e a AstraZeneca, empresa que possui a licença para produzir e comercializar a vacina inglesa, assinaram na sexta-feira (31) o documento que estabelece a base para o acordo entre as duas instituições.

“Nós estamos nos estruturando para seguir para a fase de produção da vacina nacionalmente.  O acordo com a Universidade Oxford nos permitirá ter capacidade de suprir o mercado nacional e o excedente de produção enviar para toda América Latina, é uma exigência da OMS”, explica Rosane Cuber Guimarães, vice-diretora de qualidade do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Biomanguinhos), unidade da Fiocruz responsável pela operação. 

Sobre as últimas notícias referentes à vacina divulgada pela Rússia, a especialista reconhece que há outros grupos, inclusive no Brasil mesmo, que estão avançando em seus estudos mas não tem como avaliar e comentar a aprovação. “ Não é uma vacina que tenhamos muitas informações e estávamos acompanhando, como as chinesas e americana”.

A vice-diretora da Fiocruz reforça ainda sobre a importância de seguir com as medidas de isolamento e higiene, como uso frequente de máscaras, álcool e água e sabão para lavar as mãos.

Campanha “Como se prevenir do coronavírus?”

Desde o início da pandemia no país, o Observatório de Favelas está realizando a campanha “Como se prevenir em tempos de coronavírus”, com o apoio da Fiocruz. Semanalmente um grupo de trabalho se reúne com um parceiro para falar sobre os impactos do coronavírus na vida das pessoas que moram em favelas e periferias e como é possível pensar medidas que possam reduzir tais impactos. O discurso é sempre sobre proteção e cuidado.Todas segundas e quartas são publicados áudio, peça gráfica e  texto.  Sextas a produção ganha vida a partir de animação em vídeo realizada em parceira com a A Madre Produtora. Em breve a campanha também contará com uma cartilha para veiculação online e offline. O objetivo é alcançar as pessoas faveladas e periféricas que são as mais afetadas com o avanço do vírus.  Clique AQUIe receba os conteúdos da campanha e outras atualizações do Observatório de Favelas, por Whatsapp. Não esqueça de salvar o número na agenda do celular.