Por: Francisco Valdean

Foto de Capa: Elisângela Leite / Imagens do Povo

A Maré é formada por 17 comunidades com um total de 140 mil habitantes distribuídos em quase 5 quilômetros quadrados. O bairro Maré é emoldurado pela Avenida Brasil, Linha Vermelha e Linha Amarela, principais vias da cidade do Rio de Janeiro. É  oficialmente um bairro desde 1993.

1 – Morro do Timbau

Morro do Timbau, uma das 16 comunidade do bairro Maré. Rio de Janeiro, Brasil.
Foto: Francisco Valdean / Imagens do Povo

A ocupação do Morro do Timbau se dá em meados da década de 1940, anos em que ocorria a abertura da Avenida Brasil. A região do Morro por ser um dos poucos locais sem água, foi o que possibilitou a sua ocupação. Inicia-se assim, a ocupação do Conjunto de Favelas da Maré.

Ano de ocupação

1940

Nome Popular

Morro / Timbau

Localização

Entre Linha Vermelha, Avenida Brasil e as localidades Bento Ribeiro Dantas, Conjunto Nova Maré e Baixa do Sapateiro.

2 – Baixa do Sapateiro

ip000183
Foto: Francisco Valdean / Imagens do Povo

As primeiras residências da Baixa do Sapateiro foram construções de madeiras erguidas sobre as águas da Baía da Guanabara, as famosas palafitas. Para o nome atual, três versões são difundidas: a de que haveria um sapateiro na ocupação inicial da área; de que seria uma alusão à Baixa dos Sapateiros em Salvador-BA; e de que seria uma referência à vegetação de manguezal, em que predominava a espécie Rhizophora mangle (mangue vermelho), conhecida popularmente como sapateiro (usada para a produção de tamancos).

Ano de ocupação

1947

Nome Popular

Baixa / BS

Localização

Fica localizada entre a Avenida Brasil e as favelas Morro do Timbau, Nova Maré e Parque Maré.

3 – Marcílio Dias

Marcilio Dias
Foto: veri-vg / Imagens do Povo

 

Localizada entre a Casa do Marinheiro e da fábrica Kelson, o Conjunto Habitacional Marcílio Dias iniciou seu processo de ocupação em 1948 com algumas famílias de pescadores que ergueram palafitas. A comunidade Marcílio Dias é formada internamente pelas comunidades menores: Mandacaru, Terra Nostra e Kelson.

Ano de ocupação

1948 

4 – Parque União

ip000671
Foto: Rosilene Miliotti / Imagens do Povo

Conta-se a história de que as casas eram construídas em madeira e as paredes de alvenaria eram feitas internamente, às escondidas. Segundo a população, o governo proibia essa forma de construção. A madeira só era retirada quando a casa já estava praticamente pronta.

Ano de ocupação

1961

Nome Popular

PU

Localização

Entre a Avenida Brasil, Linha Vermelha e a localidade Rubens Vaz. 

5 – Parque Maré

Nova Holanda, uma das 16 comunidades do bairro Maré. Rio de Janeiro, Brasil.
Foto: Francisco Valdean / Imagens do Povo

Segundo relata a memória local, os moradores pediam aos caminhoneiros de entulho que transitavam pela Avenida Brasil que despejassem a sua carga ali. A ocupação da região consolidou-se após a atuação do Projeto Rio, do Governo Federal, nas décadas de 1980 e 1990, quando foram demolidas as últimas palafitas e construídas casas de alvenaria.

Ano de ocupação

1950

6 – Parque Rubens Vaz

entrada da Rubens Vaz
Foto: Rosilene Miliotti / Imagens do Povo

A localidade Rubens Vaz fica entre as favelas Nova Holanda e Parque União teve sua ocupação junto ao canal do Rio Ramos, que hoje é uma grande vala, chamada pelos moradores de “valão”.

Ano de ocupação

1954

7 – Roquete Pinto

Praia de Ramos
Foto: veri-vg / Imagens do Povo

A localidade Roquete Pinto foi aterrada pelos próprios moradores. Na época da ocupação havia antena e transmissores da Rádio Roquette Pinto no local, que funcionou até 1995. A comunidade fica nas proximidades do Piscinão de Ramos. Local bastante frequentado aos fins de semana e feriados.

Ano de ocupação       

1955

Nome Popular

Roquete.

8- Nova Holanda

ip001416
Foto: Bira Carvalho / Imagens do Povo

Fica entre as favelas Parque Maré e Rubens Vaz. Entre 1960 e 1962 moradores removidos da Favela do Esqueleto (atual campus da Universidade do Estado do Rio de Janeiro), Praia do Pinto, do Morro da Formiga, Morro do Querosene e das margens do Rio Faria Timbó, sob a coordenação da Fundação Leão XIII, que controlava tanto o processo de remoção quanto o gerenciamento dos CHPs foram transferidos para a Nova Holanda.

Ano de ocupação

1960

Nome Popular

Nova

Localização

Entre a Linha Vermelha, Avenida Brasil e as favelas Nova Maré, Parque Maré e Rubens Vaz.

9 – Praia de Ramos

Banhistas no Piscinão de Ramos.  Zona norte do Rio de Janeiro, Brasil.
Foto: veri-vg / Imagens do Povo

A Praia de Ramos tem como principal referência o Piscinão de Ramos, um largo artificial construído em 2001 e que recebe um número significativo de banhistas nos finais de semana e feriados é também umas das poucas áreas de lazer públicas da região. Hoje, a área é administrada pela Prefeitura e foi rebatizada de Parque da Vizinhança de Ramos.

Ano de ocupação

1962

Nome Popular

Piscinão

Localização

Próximo a Avenida Brasil e Roquete Pinto.

10 – Vila do João

Davi Marcos-Imagens do Povo-Entrada da Vila do pinheiro (1)
Foto: Davi Marcos / Imagens do Povo

A Vila do João é um Conjunto habitacional erguido pelo Projeto Rio, do governo federal, no início da década de 1980. O objetivo era acabar com moradias construídas precariamente.  O seu nome original foi uma homenagem ao então Presidente da República, General João Baptista de Oliveira Figueiredo. 

Ano de ocupação

1980

Nome Popular

Vila

Localização

Entre a Avenida Brasil e as favelas Conjunto Esperança, Salsa e Merengue e Conjuntos Pinheiros.

11 – Conjunto Esperança

Conjunto habitacional erguido em 1982 às margens do Canal do Cunha pelo Projeto Rio, do governo federal, originalmente com 35 edifícios, o Conjunto Esperança recebeu na sua fundação cerca de 7 mil pessoas.

Ano de ocupação

1982

12 – Conjunto Pinheiro

vista do conjunto do pinheiro do alto da passarela da linha amarela
Foto: Davi Marcos / Imagens do Povo

O Conjunto Habitacional Pinheiros foi construído em 1989 pelo Projeto Rio, do governo federal. São ao todos 34 prédios de 5 andares cada.

Nome Popular

Apartamentos

Localização

Entre a Avenida Bento Ribeiro Dantas, Vila dos Pinheiros e Vila do João.

13 – Vila do Pinheiro

Davi Marcos-Imagens do Povo-Entrada da Vila do Pinheiro vista da Passarela da Linha Amarela
Foto: Davi Marcos / Imagens do Povo

A área da Vila do Pinheiro fez parte da segunda fase do Projeto Rio e destinava-se a reassentar os moradores das palafitas sobre aterros dos manguezais. A região genericamente denominada como “Pinheiro” é fruto de um aterro que ligou a Ilha do Pinheiro ao continente e atualmente é um parque ecológico, conhecido como “Mata”.

Ano de ocupação

1990

Nome Popular

Pinheiro

Localização

Entre a Linha Vermelha, Avenida Bento Ribeiro Dantas e Salsa e Merengue e Conjunto Pinheiros.

14 – Bento Ribeiro Dantas

Davi Marcos-Imagens do Povo-Passarela que liga oBento Ribeiro Dantas a Vila do João (2)
Foto: Davi Marcos / Imagens do Povo

Erguida no ano de 1992, a comunidade ocupa a área onde existiu a praia e o Porto de Inhaúma. Os seus moradores vieram de outras favelas, consideradas de risco pelos técnicos da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro, por meio do Programa Morar Sem Risco e que não podiam ser urbanizadas pelo Programa Favela-Bairro, implantado a partir de 1994.

Ano de ocupação

1992

Nome Popular

Fogo Cruzado

Localização

Entre o Morro do Timbau e Avenida Bento Ribeiro Dantas.

15 – Nova Maré

ip000178
Foto: Francisco Valdean / Imagens do Povo

O Conjunto Habitacional Nova Maré foi inaugurado em 1996, com o objetivo de assentar moradores removidos de palafitas do Parque Roquete Pinto, também na Maré. No Conjunto Nova Maré está fica a Vila Olímpica da Maré.

Ano de ocupação

1996

Nome popular

Casinhas da Baixa / Tijolinho

Localização

Fica entre a Vila Olímpica da Maré, Nova Holanda e Parque Maré.

16 – Salsa e Merengue

rua do Salsa e Merengue mercado do Felipe triciclo e céu nublado
Foto: Davi Marcos / Imagens do Povo

A comunidade nasceu de um conjunto habitacional inaugurado em 2000, com o nome oficial de Novo Pinheiro. Foi criado para assentar moradores removidos da comunidade conhecida como “Kinder Ovo” e do entorno do Rio Faria Timbó. O seu nome popular é uma alusão a uma telenovela, por conta do colorido das casas.

Ano de ocupação

2000

Nome Popular

Kinder Ovo / Salsa

Localização

Entre a Linha Vermelha, Vila do João, Conjunto Pinheiros e Vila dos Pinheiros.

17 – McLaren

ip000047
Foto: Edmilson de Lima / Imagens do Povo

McLaren é uma ocupação com aproximadamente 40 famílias que vivem em barracos improvisados, sem água encanada ou esgoto.

Ano de ocupação

2005