Por Nyl de Sousa (nyl@observatoriodefavelas.org.br)

Rio de Janeiro – Montar uma banda, ensaiar, compor, produzir, gravar, fazer shows, turnês…É o sonho de muita gente, porém, há muito trabalho e estudo envolvido em todos esses passos. E ainda há espaços e iniciativas na cidade que pensam em como difundir esse conhecimento e de alguma forma dar aquele empurrãozinho para os músicos que estão na correria.

É o caso do Lab Dicró, projeto de residência artística laboratorial que chega a sua segunda edição, focado exclusivamente para bandas e grupos musicais. A residência ocorre dentro de 30 dias nos espaços da Arena Carioca Dicró, na Penha Circular, Zona Norte do Rio de Janeiro. As bandas e grupos selecionados terão espaço para ensaio, consultorias, workshops e acompanhamento. De contrapartida, realizam 2 apresentações intermediárias e 1 final.

Para essa realização, 2 projetos atuantes no cenário musical da cidade estarão recebendo os residentes: Rock no Parque, que acontece mensalmente na Arena Dicró há 3 anos e o coletivo Etnohaus, que possui um espaço colaborativo em Botafogo onde realiza gravações, shows e até palestras, recebendo músicos de diversos lugares do país da cena independente.

“Criar junto à equipe da Dicró, adaptando os shows para datas especiais ou fazendo projetos juntos como o Lab Dicró foi uma ótima ideia. Não tínhamos como recusar” afirma Giovanna Pinheral, produtora do Rock no Parque, que chegou na Arena Dicró como estagiária em produção cultural e mesmo depois de sair da equipe da Arena, continua a tocar o projeto.

O forninho para projetos fermentados

O Lab Dicró surgiu em 2017 como um projeto de Residência Artística laboratorial de 1 mês nos espaços da Arena. Através de um edital, foram selecionados 4 grupos de diferentes linguagens e propostas (uma ala coreografada de escola de samba, uma cia de teatro, um coletivo LGBTQ+ de performance e um grupo de palhaçaria) para ocuparem a Arena de setembro até dezembro.

Seguindo um plano de trabalho apresentado no edital, os grupos tinham espaço para ensaiar, desenvolver seus espetáculos e oferecer oficinas para o público. Tudo isso tendo acompanhamento e consultoria de produção, comunicação e técnica (luz e som). Um bom desafio para tempos de crise e os poucos investimentos na cultura sendo reduzidos.

Juracy de Oliveira, do Coletivo Controversa, ressalta a importância que o Lab Dicró teve no processo de desenvolvimento do grupo “Somos de diferentes lugares da cidade, partimos de diferentes pesquisas e estávamos na busca de uma unidade em meio a tudo isso. E a Arena Dicró foi uma grande facilitadora dos nossos encontros com essa iniciativa”

“Através deste edital, queremos imprimir nossa marca na criação artística de uma galera que entende o underground como um lugar em si, não só como lugar de passagem” afirma Rebeca Brandão, coordenadora da Arena Dicró, idealizadora do Lab e entusiasta de equipamentos culturais que atuam na co-criação em processos artísticos.

Serviço
Lab Dicró – edição bandas e grupos musicais
Período de inscrição: de 19/02 a 12/03
Resultado: 16/03
Link para inscrição: https://goo.gl/a5cqXg