As favelas são fortemente caracterizadas pela capacidade dos seus moradores de inventarem soluções alternativas para problemas de várias ordens do cotidiano. Assim, não é exagero afirmar que a favela é a expressão material mais consistente do que chamamos nesse projeto de “Território Criativo Urbano”. Definimos esses espaços como áreas da cidade em que os moradores criam formas inovadoras, coletivas e solidárias de atendimento das suas demandas materiais e simbólicas específicas.

A sofisticação da sociedade nacional, com a incorporação de dezenas de milhões de brasileiros ao mercado de trabalho e de consumo exige a abertura para novas representações do mundo e formas de nele viver. Logo, o estímulo à formação de profissionais com os perfis para atividades criativas e sofisticadas, e não apenas para os trabalhos manuais, é uma necessidade social, sendo um dever do Estado e do Mercado.

Espera-se que até as Olimpíadas de 2016 o Território Criativo da Maré seja uma referência, transformando este conjunto de 16 favelas, com cerca de 130mil moradores, num polo de cultura e educação, funcionando num espaço de dois quarteirões à beira da Av. Brasil.

Uma das principais iniciativas deste projeto que conjuga arte, educação e entretenimento é o Travessias, evento de arte contemporânea atualmente em sua segunda versão. O Território Criativo da Maré prevê ainda a construção de um Centro Universitário no local, com cursos como Comunicação, Artes Visuais, Antropologia, Direito, Língua Espanhola, Informática e Ciência da Informação.

Além de reconhecer e fortalecer o caráter criativo das práticas culturais da Maré, o grande objetivo do projeto é tornar a Av. Brasil um local de encontro entre pessoas de diferentes espaços da cidade.